O uso terapêutico da cannabis medicinal

Sim, a Cannabis medicinal já é uma realidade no Brasil

Cada vez mais em evidência na mídia, a população tem se deparado com informações a respeito da planta cannabis sativa (a mesma da maconha) e seu uso medicinal.

Sempre faço questão de ressaltar a diferença entre o ato de fumar a droga, que diga-se de passagem é ilegal, e o uso terapêutico através do extrato de algumas das substância presentes em sua composição. 

Quando falamos da cannabis para uso medicinal, precisamos destacar os dois componentes principais: o canabidiol (CBD) e o tetrahidrocanabinol (THC).  Ainda que o potencial terapêutico destes dois componentes já seja consolidado, há muito ainda a ser estudado nos mais de 500 compostos químicos da planta, cada qual com suas propriedades terapêuticas.

Dr. Raphael Mechoulam, considerado o ‘pai da Cannabis’, relatou em suas pesquisas o efeito sinérgico da interação dos diversos compostos da planta, potencializando seus efeitos terapêuticos. É o chamado “efeito entourage”. Isso quer dizer que um óleo de cannabis medicinal funciona melhor se há composição de vários canabinóides, e não apenas um deles isolado.

Em 2010, cientistas convidaram 177 pacientes oncológicos que, apesar do uso de opioides (exemplo: tramadol, morfina), sofriam com dores causadas pelo câncer. Alguns tomaram, ao longo de duas semanas, um remédio com as mesmas dosagens de THC e CBD, outro apenas com THC, e um terceiro grupo recebeu placebo. Quem mais relatou alívio foram os pacientes da primeira turma, que receberam doses de THC e CBD.

Na prática, a indicação de cannabis para tratamento complementar de diversas doenças já está bem estabelecida, com destaque para epilepsia refratária, autismo, dor neuropatia/dor crônica, distúrbios do sono, ansiedade, fibromialgia, esclerose múltipla. Na Oncologia, seu uso é indicado para controle de sintomas como náuseas/vômitos, dores refratárias, melhora do apetite e da fadiga. 

É importante destacar ainda que a cannabis medicinal não substitui tratamentos convencionais e nem está associada à cura de doenças crônicas. O uso terapêutico da cannabis já é permitido em mais de 40 países e vemos com entusiasmo e otimismo que isso já tem se tornado também uma realidade no Brasil.

Por: Dra. Milena Aparecida Coelho Ribeiro Bessa

Oncologista Clínica

CRO/GO 15050 | RQE 10951

  • paula-cardoso-revista-mais-saude

Gostou? Compartilhe!
Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram
Email
Você vai gostar também
Rolar para cima