Laqueadura: Saiba mais sobre este método

laqueadura
Conhecida como cirurgia de “ligadura de trompas”, a laqueadura é um dos métodos contraceptivos oferecidos de forma gratuita pelo SUS e também pelos planos de saúde.

Por ser um método definitivo, que facilita a prevenção da gravidez sem a necessidade de utilizar outros métodos contraceptivos como DIUs hormonais e não hormonais, implantes hormonais, ACHO (anticoncepcionais orais), ACHI (anticoncepcionais injetáveis), adesivos hormonais, anéis vaginais e chips hormonais. A laqueadura é um método bastante buscado pelas mulheres. O procedimento está previsto em lei e pode ser feito nas unidades de saúde que possuem serviços de ginecologia, obstetrícia ou maternidade, segundo o Ministério da Saúde.

O que é a Laqueadura?

A laqueadura é um processo de esterilização feminina realizada por meio de uma cirurgia que corta ou amarra as trompas (canal que liga o útero aos ovários). Ao obstruir esse canal, impede-se o encontro do espermatozoide com o óvulo.

Segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde), é um dos métodos contraceptivos mais eficazes, mas ainda assim apresenta um pequeno risco de falha: menos de 5 gravidez a cada 1000 mulheres no primeiro ano após a realização do procedimento.

A cirurgia pode ser realizada de duas formas:

  • Por Laparotomia, em que se faz um corte na região abdominal (pode ser realizada logo após o parto cesariano);
  • Por Videolaparoscopia, menos invasiva por ser feita com câmera por meio de três pequenas incisões no abdômen.

Pelo SUS, é realizado apenas a laparotomia, e o procedimento dura aproximadamente 40 minutos e requer 10 dias de repouso pós-cirúrgico.

Prós e Contras

Na hora de escolher por um método contraceptivo, é necessário avaliar os prós e contras de cada um deles juntamente com seu médico ginecologista, para saber os possíveis riscos e efeitos colaterais, pois cada pessoa responde a um contraceptivo de forma diferente.

Entre os benefícios da Laqueadura é que não possui efeitos colaterais, não se faz o uso de hormônios e é um método definitivo. Porém, por ser uma cirurgia, mesmo que de baixíssimo risco, possui seus riscos, e por ser um método definitivo, sua reversão mesmo que cirúrgica é pouco provável, e o SUS não faz essa reversão.

A reversão também só pode ser tentada quando a técnica cirúrgica usada na laqueadura foi à amarradura das trompas, caso as trompas tiverem sido retiradas é inviável e impossível à reversão.

Quem pode fazer laqueadura?

As regras para a realização da laqueadura no SUS ou pelo seu Convênio estão na lei de planejamento familiar (lei federal nº 9.263/96). A condição básica para que uma mulher esteja apta a realizar a cirurgia é ter mais de 25 anos ou pelo menos dois filhos vivos.

Uma vez enquadrada nessa condição, é necessário ter autorização do cônjuge e guardar um prazo mínimo de 60 dias entro o pedido e o ato cirúrgico (para o caso de arrependimento), período no qual a mulher tem que frequentar reuniões de planejamento familiar, avaliações com psicólogo e/ou psiquiatra. Fora dessas condições, a lei permite a laqueadura somente em casos de risco à vida ou à saúde da mulher, com o parecer de dois médicos.

É importante frisar que por ser um método considerado irreversível, precisar ser bem pensado e planejado em conjunto com seu cônjuge e seu médico, ressaltando que com os avanços dos métodos existentes no mercado hoje, como DIUs hormonais e não hormonais que duram de 5 a 10 anos, implantes que duram até 3 anos e a evolução dos anticoncepcionais orais e injetáveis que reduziram a carga hormonal e outros métodos como anel e adesivo.

Agende um consulta para saber mais e tirar todas as suas duvidas sobre todos os métodos que temos hoje!

 

Por: Dr. Glauco Prado Silva
Ginecologia e Obstetrícia
CRM/GO: 11559 | RQE: 6093 | RQE: 14894
  • michelle-branquinho
Rolar para cima