O que é Doença de Dupuytren?

doenca-dupuytren

A contratura de Dupuytren ou moléstia de Dupuytren, é uma contratura fixa dos dedos da mão em flexão, caracterizada pelo espessamento da fáscia palmar.

Apresentasse como uma doença hereditária comum, onde um ou mais dedos se contraem, isto é, ficam dobrados para dentro da palma da mão. A causa dessa contratura permanece ainda desconhecida. Os homens são mais afetados do que as mulheres e, normalmente, após os 40 anos.

Grupo de Risco

Embora a contratura de Dupuytren se desenvolva em pessoas predispostas geneticamente, indivíduos alcoólatras, que apresentam diabetes e que usam drogas anticonvulsivantes possuem maior chance de desenvolver a doença.

Sinais e sintomas

De uma forma geral, o primeiro sinal da doença começa com um nódulo na palma da mão, próximo ao dedo anelar ou dedo mínimo. O nódulo pode ser confundido com um calo e, normalmente, não apresenta dor. Com a evolução da doença, outros nódulos aparecem, unindo-se entre eles e levando a contração dos dedos, flexionando-os.

O dedo anelar, é normalmente, o principal dedo a ser acometido, seguido do dedo mínimo o polegar e depois o dedo médio. O médico ortopedista especialista em mãos, baseia o diagnóstico através de um exame físico das mãos apenas, não sendo necessário nenhum tipo de exame complementar para o diagnóstico.

Tratamento 

Não há necessidade de tratamento nos casos iniciais onde apenas são encontrados nódulos. Nestes casos a conduta é o acompanhamento do paciente para evitar uma evolução descontrolada da contratura Quando o paciente não consegue colocar a palma da mão toda aberta sobre uma superfície lisa, é sinal de que há contratura dos dedos. Neste caso, para corrigir a deformidade e devolver qualidade ao movimento, o tratamento de escolha é o cirúrgico.

O procedimento cirúrgico para remover a fáscia afetada é bastante delicado, pois a fáscia está ao redor de nervos, vasos sanguíneos e tendões. A contratura de Dupuytren pode retornar após a cirurgia, se a remoção da fáscia for incompleta ou uma nova fáscia afetada se desenvolver. Por isso, é sempre bom, buscar a ajuda do especialista em mãos para o melhor diagnóstico e tratamento mais adequado para caso.

 

Por: Dr. Henrique Bufaiçal
Ortopedia e Traumatologia
CRM/GO: 11627 | RQE: 7921
  • gennesys-consulting-goiania
Rolar para cima