Alopecia Frontal Fibrosante: uma doença nova que está cada vez mais comum!

alopecia-frontal-fibrosante-doenca-mais-comum

Doutora, minha testa está ficando maior, meus cabelos estão caindo principalmente na frente, no contorno da cabeça e estou perdendo minhas sobrancelhas, o que pode estar acontecendo?

Estes são os principais sinais da Alopecia Frontal Fibrosante (AFF), doença que pode acometer homens e mulheres de idades variadas, explica a Dra Lorena Dourado Alves, Titular em dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia e com Formação em Tricologia (ciência que estuda o cabelo) pela Faculdade de Medicina do ABC e pela USP.

O que é Alopecia Frontal Fibrosante?

Segundo a Dra. Lorena Dourado a Alopecia Frontal Fibrosante é uma doença relativamente nova (Primeiro caso relatado em 1994 na Austrália) que no início era extremamente rara, mas que recentemente, o número de casos vem crescendo consideravelmente no mundo todo.

Ainda não se sabe qual é o fator desencadeante desse aumento no número de casos, mas acredita-se que exista algum fator externo, que está sendo investigado, já que a doença está cada vez mais frequente no mundo todo, em adultos de idades variadas e em todas as etnias.

A Dra. Lorena Dourado explica que a Alopecia Frontal Fibrosante é uma doença autoimune em que o seu próprio organismo gera uma inflamação na raiz do fio de cabelo que resulta na destruição deste, levando a queda do fio e a formação de uma cicatriz, com a parada do nascimento do fio naquele local.

Porém, diferente de outras doenças autoimunes, não há uma interferência na imunidade da pessoa, não há uma predisposição para desenvolver outras doenças e não há uma associação mais frequente com outras doenças autoimunes, o que nos leva a dizer que a AFF é, na verdade, uma doença auto-inflamatória.

Uma característica que apresenta, comum as doenças autoimunes, é a possível piora do quadro quando a pessoa passa por um fator estressante muito intenso, como por exemplo, ter tido um quadro de COVID mais grave, ou mesmo pelo estresse que algumas pessoas desenvolveram devido à pandemia. 

Quem pode ter a doença?

É uma doença que acomete principalmente mulheres menopausadas, mas que pode atingir também homens e mulheres adultas mais novas, ainda não menopausadas.

Nos homens pode ser confundida com a Alopecia Androgenética (Calvície), mas um sinal que ajuda a diferenciar as duas é a perda das costeletas, que acontece na Alopecia Frontal Fibrosante e não acontece na Calvície.

Além disso, a AFF pode estar ou não associada à coceira no local de perda de cabelos e pode ter sinais inflamatórios como vermelhidão e descamação na base dos fios de cabelo dos locais comprometidos pela doença, orienta a Dra. Lorena Dourado.

Quais os principais sintomas?

Na Alopecia Frontal Fibrosante a pessoa pode perder também pelos corporais como braços, pernas, barba, bigode, cílios, axilas e virilha. Além de ter perda de pelos em sobrancelha, sendo esta uma associação comum que pode preceder a perda de cabelos do contorno da cabeça.

Pode apresentar também pequenos carocinhos no rosto fazendo com que a pele fique áspera com aspecto que lembra, nos casos mais graves, “casca de laranja”, devido ao acometimento dos pelos finos da face.

Em alguns casos, a pessoa pode ter também manchas escuras no rosto, além da pele do rosto mais sensível e com tendência a ficar avermelhada. “É uma doença que necessita ser tratada para atingir o controle e evitar a piora e a sua progressão”, explica a Dra Lorena Dourado.

Portanto, se você observar que seus cabelos estão ficando mais falhados ou com queda no contorno da cabeça ou nas sobrancelhas, o ideal é procurar um dermatologista com Título de Especialista pela Sociedade Brasileira de Dermatologia para que ele faça uma avaliação clínica e inicie o tratamento adequado para cada caso.

“O mais importante é fazer o diagnóstico correto e iniciar o tratamento adequado o mais precocemente possível.”, conclui a Dra. Lorena Dourado.

                  

Por: Dra. Lorena Dourado Alves

Médica Dermatologista

CRM/GO 11663 | RQE 7207

 

  • medcom-goiania-brasilia
 

 

 

Gostou? Compartilhe!
Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram
Email
Você vai gostar também
Rolar para cima