Alopecia Areata: saiba as causas e tratamentos dessa doença

alopecia-areata

“Doutora, percebi uma área sem nenhum fio de cabelo na minha cabeça, o que pode estar acontecendo?”

Embora algumas pessoas pensem que pode ser apenas uma “barbeiragem” do cabeleireiro, geralmente falhas que surgem repentinamente nos cabelos tem como causa mais comum a alopecia areata.

Causas da alopecia areata 

Conforme explica a Dra Lorena Dourado Alves, Dermatologista com Título de Especialista pela Sociedade Brasileira de Dermatologia e Formação em Tricologia (ciência que estuda o cabelo) pela Faculdade de Medicina do ABC e pela USP, existem várias causas de queda de cabelo

“As falhas no cabelo que chamamos de “placas” podem ter causas variadas sendo as mais comuns, a Tinea capitis (fungo), a alopecia areata e a tricotilomania (a própria pessoa arranca os cabelos).” 

Nesse mês de setembro, comemoramos o mês de conscientização da Alopecia Areata, explicaremos um pouco mais sobre essa doença.

Quem pode ter alopecia areata?

A incidência estimada ao longo da vida de desenvolver Alopecia Areata na população geral é de cerca de 1,7% (quase 2 pessoas a cada 100 pode desenvolver a doença alguma vez na vida). Tanto nas suas formas leves ou graves, por isso é importante conhecer essa doença. 

Conforme orienta a Dra Lorena Dourado:

“A Alopecia Areata é uma doença genética e auto-imune na qual o organismo da pessoa começa a “atacar” 

Seu próprio fio de cabelo, gerando um processo inflamatório na base do pelo o que leva a queda do cabelo. 

Alopecia areata: o que é isso?

É uma inflamação, não cicatricial, que não chega a destruir o fio do cabelo, dessa forma, o cabelo pode voltar a nascer no local. 

Pode atingir apenas uma área do couro cabeludo, formando uma falha localizada, geralmente arredondada e sem nenhum fio no local. 

Mas pode atingir outros pelos do corpo como barba, sobrancelha e pelos corporais e pode, em alguns casos, levar a perda de todos os pelos da cabeça ou do corpo.

Em algumas pessoas os cabelos voltam a nascer mesmo sem tratamento, outras voltam apenas com o tratamento e outras o cabelo não volta a nascer. 

Em algumas pessoas os pelos podem voltar a nascer brancos ou com alterações, ficando mais lisos ou mais crespos, no local. 

Algumas pessoas tem um episódio na vida e não volta mais a ter e outras, persistem com episódios durante toda a vida. 

Alopecia areata tem tratamento?

Muitas pesquisas estão sendo feitas em busca de um tratamento, sem muitos efeitos colaterais, para controlar a doença e tentar evitar que se tenha novos episódios.

Sabe-se que como em todas as doenças auto-imunes, fatores estressantes podem desencadear ou agravar o quadro. 

A Dra Lorena Dourado explica que nessa fase de pandemia pelo COVID foram observados alguns casos de pessoas que iniciaram as primeiras placas não só após ter tido a doença como também pelo estresse vivido nessa fase de isolamento. 

Além disso, algumas pessoas que tinham anos que não apresentavam placas voltaram a ter manifestações da doença após o início da pandemia e/ou por ter tido a infecção.

É importante lembrar que é uma doença que só vai acontecer se a pessoa tiver a genética para desenvolvê-la. Portanto, não é uma doença contagiosa e nem uma doença que só acontece em pessoas estressadas. 

Conclusão

Afirma a Dra Lorena Dourado:

 “A Alopecia Areata é uma doença que leva a um impacto psicológico significativo na vida da maioria das pessoas que apresentam a doença. Bem como dos seus familiares, por isso é tão importante que todos conheçam essa doença.”

Se perceber que seus cabelos estão caindo mais que o normal ou passando por alterações como falhas localizadas, procure um dermatologista com título de especialista pela Sociedade Brasileira de Dermatologia. Assim, para que ele possa te examine, fazer seu diagnóstico e inicie, se necessário, seu tratamento. 

“O mais importante é fazer o diagnóstico correto e iniciar o tratamento adequado o mais precocemente possível”,

Conclui a Dra Lorena Dourado.

 

Por: Dra. Lorena Dourado

Médica Dermatologista

CRM/GO: 11663 | RQE: 7207

  • coe-ortopedia-especializada
Rolar para cima